domingo, 6 de abril de 2014

ESBOÇO DE UMA SERPENTE – Paul Valéry


Entre as árvores, a brisa embala
A víbora que me veste...
Um sorriso, que o dente trinca
E o apetite apresta ao teste.
Sobre o Jardim arrisca a cauda
E meu triângulo esmeralda
Mostra a língua de duplo fio...
Cobra serei, mas cobra arguta
Cujo veneno, ainda que vil,
Deixa longe a douta cicuta!

(tradução de Augusto de Campos)


Um comentário: