quarta-feira, 17 de outubro de 2012

KIN-DZA-DZA - UM DÉBITO COM O CINEMA RUSSO


Por Neurocancer


Kin-dza-dza é um "cult movie" de ficção-científica lançado em 1986 que obteve êxito no leste europeu e passou completamente despercebido nos demais continentes. A obra-máxima do diretor Georgiy Daneliya ao longo do anos arregimentou fãs mundo afora, destacando-se como um expoente do gênero. Mesmo assim, trata-se de um filme injustiçado cuja versão em DVD saiu apenas na Rússia e no Japão. Narra a história de dois russos (Tio Vova e O Violinista) que viajam para o planeta "Pluke" na galáxia de "Kin-dza-dza" após apertar o dispositivo de um aparelho de teletransporte. No deserto planetário, os dois forasteiros se deparam com alienígenas semelhantes aos seres humanos e que vão acompanhá-los ao longo da jornada. A sociedade do planeta é formada por "Chatlanians" e  "Patsaks", tendo aqueles privilégios hierárquicos sobre estes. Com um orçamento reduzido e muita criatividade, Daneliya nos brinda com um filme crítico e engraçado que segue na contramão do estilo adotado pelo compatriota e, também cineasta, Andrei Tarkowsky. Merecem destaque a espaçonave alienígena no formato de uma rolha com hélice e rodas e o dicionário "Chatlo-Patsak", recursos técnicos e materiais que fogem do lugar comum utilizado em grande parte dos filmes deste gênero. Durante a jornada, os dois terráqueos descobrem que palitos de fósforo valem ouro em "Pluke" e a passagem garantida de volta à Terra.


O infame sininho colocado no nariz dos "Patsaks" como símbolo de inferioridade perante os "Chatlanians"  insere-se como uma crítica comparativa e valorativa do ser humano com as demais espécies. Além da viagem interplanetária, Daneliya valeu-se de um "loop" temporal para dar um toque humanitário ao filme e mostrar que as diferenças entre as espécies pode significar um elo de união. Os recursos visuais e cenográficos de "Kin-dza-dza" podem ser datados, mas sua proposta permanece atual dentro da narrativa bem humorada e inteligente do enredo. E quem assistir e não ficar repetindo "koo" por aí é porque está com um péssimo humor.


Segue o pequeno dicionário "Chatlo-Patsak"

Chutle - unidade de moeda
Ecilop - polícia
Ecikh - prisão em formato de caixa
Gravitsapa - artefato para viagem intergaláctica
Lutz - combustível da espaçonave
Kappa - dispositivo da espaçonave
Ketseh - palito de fósforo
Koo - todas as palavras que constam e não constam no dicionário
Kyu - uma maldição
Pepelatz - espaçonave interplanetária
Tentura - parte oposta do universo
Tsapa - artefato para a espaçonave e diversas máquinas
Tsuk - sininho usado no nariz
Tranklucator - armamento Plukanian
Visator - detector de Chatlanians e Patsak


Novas caras (e novas ideias) no Delicadamente Mal Educado




É com grande prazer que anuncio que o DME passa a contar com mais um colaborador. Neurocancer.

Neurocancer foi um dessas amizades que fiz através da internet e que a partir de conversas percebemos grande afinidade e interesses comuns. Dai houve o convite prontamente aceito, o que honrou e alegrou plenamente nós aqui do Blog.

Essa parceria não tem validade. Como tudo na vida, as coisas vão acontecendo e tendo vida própria, e isso é que vai definir sua durabilidade, no entanto, nosso desejo é que, como diria o poeta, "seja eterno enquanto dure". hahaha...

Bem-vindo, Neurocancer!

Rock and Roll...