quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Janela do caos - Murilo Mendes

1

Tudo se passa

Em Egitos de corredores aéreos

Em galerias sem lâmpadas

À espera de que Alguém

Desfira o violoncelo

- Ou teu coração?

Azul de guerra.

2

Telefonam embrulhos,

Telefonam lamentos,

Inúteis encontros,

Bocejos e remorsos.

Ah! Quem telefonaria o consolo.

O puro orvalho

E a carruagem de cristal.

3

Tu não carregaste pianos

Nem carregaste pedras.

Mas na tua alma subsiste

- Ninguém se recorda

E as praias antecedentes ouviram -

O canto dos carregadores de pianos,

O canto dos carregadores de pedras.

4

O céu cai das pombas.

Ecos de uma banda de música

Voam da casa dos expostos.

Não serás antepassado

Porque não tiveste filhos:

Sempre serás futuro para os poetas.

Ao longe o mar reduzido

Balindo inocente.

5

Harmonia do terror

Quando a alma destrói o perdão

E o ciclo das flores se fecha

No particular e no geral:

Nenhum som de flauta,

Nem mesmo um templo grego

Sobre colina azul

Decidiria o gesto recuperador.

Fome, litoral sem coros,

Duro parto da morte.

A terra abre-se em sangue,

Abandona o branco Abel

Oculto de Deus.

6

A infância vem da eternidade.

Depois só a morte magnífica

- Destruição da mordaça:

E talvez já a tivesse entrevisto

Quando brincavas com o pião

Ou quando desmontaste o besouro.

Entre duas eternidades

Balançam-se espantosas

Fome de amor e a música:

Rude doçura,

Última passagem livre.

Só vemos o céu pelo avesso.

7

Cai das sombras das pirâmides

Este desejo de obscuridade.

Enigma, inocência, bárbara,

Pássaros galopando elementos

Do fundo céu

Irrompem nuvens eqüestres.

Onde estão os braços comunicantes

E os pára-quedistas da justiça?

Vultos encouraçados presidem

À sabotagem das harpas.

8

Que esperam todos?

O vento dos crimes noturnos

Destrói augustas colheitas

Águas ásperas bravias

Fertilizam os cemitérios.

As mães despejam do ventre

Os fantasmas de outra guerra.

Nenhum sinal de aliança

Sobre a mesa aniquilada

Ondas de púrpura

Levantai-vos do homem

9

Penacho da alma,

Antiga tradição futura:

?Se a alma não tem penacho

Resiste ao Destruidor?

10

A velocidade se opõe

À nudez essencial.

Para merecer o rompimento dos selos

É preciso trabalhar a coroa de espinhos.

Senão te abandonam por aí,

Sozinho, com os cadáveres de teus livros.

11

Pêndulo que marcas o compasso

Do desengano e solidão,

Cede o lugar aos tubos do órgão soberano

Que ultrapassa o tempo:

Pulsação da humanidade

Que desde a origem até o fim

Procura entre tédios e lágrimas.

Pela carne miserável,

Entre colares de sangue,

Entre incertezas e abismos;

Entre fadiga e prazer.

A bem-aventurança.

Além dos mares, além dos ares,

Desde as origens até o fim,

Além das lutas, embaladores,

Coros serenos de vozes mistas,

De funda esperança e branca harmonia

Subindo vão.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Cisne Negro (Black Swan) - 2010

Dono de uma das mais significativas obras cinematográficas contemporâneas, o diretor americano Darren Aronofsky parece ter alcançado sua Obra-Prima em seu último filme “Cisne Negro – 2010”. Se ele já tinha ido fundo na loucura e na paranóia em seu filme de estréia, o magnífico e expressionista “PI de 1998”, conseguiu um resultado mais denso, asfixiante e arrebatador!

O filme narra a história de Nina Sayer (Natalie Portman em interpretação visceral e digna de um Oscar), uma bailarina notável e disciplinada que é escalada para executar o papel principal no Balé “0 Lago dos Cisnes” de Tchaikovsky. Nina faria o Cisne Branco e o Cisne Negro, entretanto, Thomas Leroy (Vincent Cassel, intenso como sempre), o diretor da companhia, acha que toda a disciplina, delicadeza e passividade da bailarina sejam qualidades perfeitas para executar a primeiro papel, mas insuficientes para o segundo, pois, em sua visão, agressividade, atitude e embriaguês seriam marcas mais indicadas para o desempenho.

Obcecada pela excelência e pelo perfeccionismo, pressionada pelo diretor, sufocada pela mãe dominadora (Barbara Hershey) e com medo de perder o lugar para Lilly (Milla Kunis em ótima atuação), outra bailarina que tem os predicados que lhe faltam para executar o Cisne Negro - Nina faz uma viagem introspectiva em busca da porção dark que vive dentro dela e assim conseguir libertar os sentimentos que faltam para ser mais agressiva e insinuante, nem que isso possa destruir completamente sua sanidade.

O filme é tecnicamente impecável! A fotografia fantasmagórica de Matthew Libatique, aliada ao roteiro perturbador Escrito por Mark Heyman, John J. McLaughlin e Andres Heinz, mais a edição de som e os efeitos especiais competentes e orquestrados por Aronofsky faz o filme transitar por gêneros cinematográficos - como o drama e o suspense, por exemplo - com extrema competência e originalidade. Um belo pesadelo cinematográfico que vale se visto!

Oscar 2011 - Indicados

Melhor Filme

127 Horas
Bravura Indômita
Cisne Negro
O Discurso do Rei
Inverno da Alma
Minhas Mães e Meu Pai
A Origem
A Rede Social
Toy Story 3
O Vencedor

Melhor Diretor

David Fincher (A Rede Social)
David O. Russell (O Vencedor)
Darren Aronofsky (Cisne Negro)
Ethan Coen, Joel Coen (Bravura Indômita)
Tom Hooper (O Discurso do Rei)

Melhor Ator

Colin Firth (O Discurso do Rei)
James Franco (127 Horas)
Javier Bardem (Biutiful)
Jeff Bridges (Bravura Indômita)
Jesse Eisenberg (A Rede Social)

Melhor Atriz

Annette Bening (Minhas Mães e Meu Pai)
Jennifer Lawrence (Inverno da Alma)
Michelle Williams (Blue Valentine)
Natalie Portman (Cisne Negro)
Nicole Kidman (Reencontrando a Felicidade)

Melhor Ator Coadjuvante

Christian Bale (O Vencedor)
Geoffrey Rush (O Discurso do Rei)
Jeremy Renner (Atração Perigosa)
John Hawkes (Inverno da Alma)
Mark Ruffalo (Minhas Mães e Meu Pai)

Melhor Atriz Coadjuvante

Amy Adams (O Vencedor)
Hailee Steinfeld (Bravura Indômita)
Helena Bonham Carter (O Discurso do Rei)
Jacki Weaver (Reino Animal)
Melissa Leo (O Vencedor)

Melhor Roteiro Original

Christopher Nolan (A Origem)
David Seidler (O Discurso do Rei)
Lisa Cholodenko, Stuart Blumberg (Minhas Mães e Meu Pai)
Mike Leigh (Another Year)
Scott Silver, Paul Tamasy, Eric Johnson (O Vencedor)

Melhor Roteiro Adaptado

Danny Boyle, Simon Beaufoy (127 Horas)
Debra Granik, Anne Rosellini (Inverno da Alma)
Joel Coen, Ethan Coen (Bravura Indômita)
Michael Arndt, John Lasseter, Andrew Stanton, Lee Unkrich (Toy Story 3)

Melhor Animação

Como Treinar o Seu Dragão
O Mágico
Toy Story 3

Melhor Filme Estrangeiro

Biutiful (México)
Em um Mundo Melhor (Dinamarca)
Fora da Lei (Argélia)
Incendies (Canadá)
Kynodontas (Grécia)

Melhor Fotografia

Bravura Indômita
Cisne Negro
O Discurso do Rei
A Origem
A Rede Social

Melhor Edição

127 Horas
O Discurso do Rei
Cisne Negro
A Rede Social
O Vencedor

Melhor Direção de Arte

Alice no País das Maravilhas
Bravura Indômita
O Discurso do Rei
Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 1
A Origem

Melhor Figurino

Alice no País das Maravilhas
Bravura Indômita
O Discurso do Rei
Io Sono l'Amore
The Tempest

Melhor Maquiagem

Caminho da Liberdade
Minha Versão para o Amor
O Lobisomem

Melhor Trilha Sonora Original

127 Horas
Como Treinar o Seu Dragão
O Discurso do Rei
A Origem
A Rede Social

Melhor Canção Original

"Coming Home" (Country Strong)
"I See the Light" (Enrolados)
"If I Rise" (127 Horas)
"We Belong Together" (Toy Story 3)

Melhor Mixagem de Som

Bravura Indômita
O Discurso do Rei
A Origem
A Rede Social
Salt

Melhor Edição de Som

Bravura Indômita
Incontrolável
A Origem
Toy Story 3
Tron: O Legado

Melhor Efeitos Visuais

Além da Vida
Alice no País das Maravilhas
Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 1
Homem de Ferro 2
A Origem

Melhor Documentário

Exit Through the Gift Shop
GasLand
Lixo Extraordinário
Restrepo
Trabalho Interno

Melhor Documentário - Curta Metragem

Killing in the Name
Poster Girl
Strangers No More
Sun Come Up
The Warriors of Qiugang

Melhor Animação - Curta Metragem

Dia & Noite
Let's Pollute
Madagascar, Carnet de Voyage
The Gruffalo
The Lost Thing

Melhor Curta Metragem

The Confession
The Crush
God of Love
Na Wewe
Wish 143

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Alternative Universe Movie Posters - Sean Hartter

Senso de humor anárquico e conhecimentos pop, essa foi a receita que o ilustrador e músico americano Sean Hartter utilizou para deliciar e divertir os cinéfilos da intenet com os seus “Alternative Universe Movie Posters”.

O projeto consiste em criar pôsteres de filmes consagrados com uma roupagem de filme B e misturar inusitadamente atores improváveis no elenco desses filmes.

Aqui abaixo, alguns exemplos. Para ver mais, acesse o site do cara.
Vi aqui.







sábado, 22 de janeiro de 2011

Abutres (2010) Pablo Trapero

Quando o filme Abutres (Carancho - 2010) do ótimo realizador Pablo Trapero (A Família Rodante e Leonera) foi lançado, os olhos dos amantes do cinema se voltaram para a fita. Todos esperavam a confirmação da excelente fase que vive o cinema argentino e, conseqüentemente, esperavam um filme à altura de “O segredo dos seus olhos” de Juan José Campanella, já que o primeiro tentaria representarar a Argentina no Oscar desse ano,mas acabou ficando de fora da lista final de indicados.

O filme narra o relacionamento improvável entre Lújan , uma médica viciada em drogas que presta socorro a vítimas de acidentes de carro (Martina Gusman, mulher de Trapero, em interpretação apenas satisfatória), e Sosa(Ricardo Darín, em atuação não tão inspirada, como é de costume ), o abutre do título, um advogado oportunista que vive de um esquema de golpes à seguradoras e aos seus clientes. E do choque desses dois mundos, onde suas personagens estão à beira de se perderem, nasce um amor que pode redimir ambos.

O resultado do filme é irregular, mas vale o ingresso, pois cumpre, até certo ponto, as questões levantadas no primeiro parágrafo. O filme alia momentos de rara beleza, onde o cinema de Traprero se impõe, como nos movimentos inusitados das câmeras, na fotografia certeira e no roteiro repleto de diálogos ácidos e inspirados, por outro lado, decepciona em seus problemas técnicos (a qualidade do som no início do filme  é sofrível), na obviedade de algumas conclusões que o filme apresenta  e na falta de química do casal de protagonistas.